Domingo, 6 de Maio de 2012

Caldeirada de gazela

 

Na Quissama era proibido caçar e havia uma equipa de fiscais que percorria diariamente aquele parque para detectar e punir eventuais caçadores furtivos. Contudo, nós tinhamos alguma facilidade em prever as zonas por onde paravam os fiscais. Por coincidência, o seu chefe era irmão de um alferes que estava colocado no nosso destacamento.

 

Assim, de vez em quando, davamos uma voltinha à noite, nada de tiros para não denunciar a nossa localização, até porque bastava pouco mais de meia hora para uma gazela ou duas virem chocar contra o nosso jipe, nem que para isso fosse necessário sair da picada e entrar com a viatura pelo capim adentro.

 

É obvio que a culpa era sempre do bicho que se colocava à frente da viatura e, uma vez atropelado, não o íamos deixar ali para repasto dos leões. Lá tínhamos de lhe dar boleia e sermos nós a fazer o petisco.

 

No dia seguinte, lá íamos convidar alguns civis para o repasto. O Lima e o Campos eram sempre convidados, mas este último normalmente era mais exigente: só aceitava o convite se o fossemos buscar à sua casa, que ficava na praia do Sangano, a cerca de 20 quilómetros de distância, de Cabo Ledo, que tinham de ser percorridos por estrada de terra batida, designada em África por picada, e o fossemos lá pôr novamente no fim do petisco.

 

Claro que isso não constituía qualquer problema. As viaturas eram da tropa e não éramos nós que pagávamos o combustível.

 

 

 

A caldeirada de gazela era magistralmente confeccionada pelo nosso cozinheiro da messe e bem condimentada com gindungo (piripiri muito picante, característico de África), de tal forma que a cada garfada o copo de vinho tinha que ir à boca para acalmar o efeito do picante. Estes petiscos (almoços) prolongavam-se quase sempre até à hora do jantar e repetiam-se, por regra, uma vez por semana.

 

Como a família Mota Veiga tinha muitos rebanhos de gado ovino e caprino naquela zona, sendo o nosso amigo Campos o Gerente da pecuária, lembrámo-nos que, uma vez por outra, para variar, até seria bom trocar a gazela por um cabrito. Mas o convite aos nossos amigos continuava a ser sempre para a caldeirada de gazela.

 

Nas vezes em que optávamos pelo cabrito, no dia anterior, quase ao fim do dia, quando já não era dia mas também ainda não era noite e a visão já era muito reduzida, eu e outro furriel pegavamos no jipe e íamos à procura de um rebanho. Estacionávamos junto ao rebanho e enquanto um de nós ia ter com os pastores, perguntando-lhes se os leões costumavam atacar os rebanhos, se comiam muitas cabeças de gado, enfim, como se costuma dizer, dando-lhes conversa da treta, para entreter, o outro que ficava no jipe fazia o trabalho. Escolhia o cabrito a abater, espetava-se-lhe a faca de mato no meio da cabeça e o pobre animal nem tinha tempo de mugir nem tugir. Era só carregar a peça no jipe e regressar à base. Os pastores não se apercebiam de nada.

 

No dia seguinte lá se fazia a festa e os nossos convidados nem se apercebiam que a gazela afinal era cabrito ou pelo menos fingiam que não se apercebiam.

 

Num desses petiscos em que a gazela era cabrito, após a refeição, passámos a noite a correr para a casa de banho, com um grande desarranjo intestinal.

 

Na manhã do dia seguinte, o Lima queixou-se-nos que lhe acontecera o mesmo e o Campos passou na parte da tarde pelo destacamento e disse-me:

 

Oh Santos quando quiser ir dar uma palmada nos cabritos, diga-me primeiro, para eu lhe dizer onde deve ir, porque aquele que foi buscar à duas noites atrás tinha sido vacinado naquele dia.

 

Enfim, o nosso amigo Campos já devia conhecer os efeitos secundários daquela vacina.

publicado por Franquelino Santos às 13:30
link do post | comentar | favorito
|

.Franquelino Santos

.pesquisar

 

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitantes

.Posts recentes

. Recordam-se da "Cuca" ?

. Casa de Reclusão de Angol...

. A ponte do rio Lumai

. Sede, a quanto obrigas

. "Safari" no Parque Nacion...

. A jibóia

. 10º Convívio da CART 2731

. O sargento Singapura

. Brincadeiras inofensivas

. Natal de 1972

.Arquivo do blog

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Novembro 2014

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds