Sábado, 26 de Maio de 2012

O aniversário do "Baixinho"

 

O senhor Lima era um dos poucos civis que vivia, com a sua esposa, na zona de Cabo Ledo, a pouco mais de duzentos metros de distância do nosso Destacamento. Era um brasileiro, muito simpático, responsável pelos poços de petróleo da Petrangol, na localidade de Tobias, que se situava a cerca de dois ou três quilómetros da sua residência.

 

Devido à sua baixa estatura, era carinhosamente tratado por "Baixinho". Era presença assídua nas nossas festas, e qualquer pretexto servia para organizar uma, que na prática consistia num almoço ou num jantar bem regados. Retribuia-nos sempre na mesma moeda.

 

Num certo dia do ano de 1972, cuja data já não posso precisar, o pretexto para festa foi o aniversário do "Baixinho". Os alferes e os furrieis do Destacamento foram convidados pelo casal para comemorar condignamente a data. Seríamos ao todo 8 ou 9 pessoas.

 

A festa consistiu num piquenique na relva, à beira da piscina, junto à residência do casal. A ementa foi variada, desde lagosta ao frango no churrasco, bem condimentado com gindungo. Bebeu-se de tudo menos água. Whisky, gin, cerveja, vinho, entre outras bebidas, não faltaram.

 

Algumas horas depois, quando já todos estavam mais ou menos alegres, o aniversariante lembrou-se de fazer uma aposta. Quem saltasse da prancha, que teria cerca de três metros de altura, para a piscina ganharia um grade de nocais (cerveja). Como estavámos vestidos com roupa normal, embora estivéssemos já um bocado cacimbados, ninguém teve a tentação de ganhar a aposta.

 

O "Baixinho", vendo que ninguém reagiu à sua proposta disse ai vocês não querem ganhar a grade de cerveja? Então vou ganhá-la eu. De seguida, completamente vestido, subiu para a prancha e saltou para a piscina.

 

A esposa, muito aflita, começou a gritar tirem-me o homem da piscina que vai morrer afogado, ele não sabe nadar. Ainda pensámos que era brincadeira, mas logo verificámos que a senhora estava a falar a sério. E lá fomos nós completamente vestidos para o banho.

 

Tirámos o homem, que bebeu uns bons golos de água, da piscina e a sua primeira reacção foi dizer ganhei uma grade de cerveja, enquanto não a bebermos a festa não pode acabar. Lá tivemos de fazer um sacrifício e cumprir a vontade do aniversariante. Já não sei o que se seguiu às cervejas, apenas me recordo que a festa continuou pela noite dentro. Era assim que íamos conseguindo mitiguar um pouco as saudades que sentíamos dos nossos familiares e das nossas terras.

publicado por Franquelino Santos às 11:15
link do post | comentar | favorito
|

.Franquelino Santos

.pesquisar

 

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitantes

.Posts recentes

. Recordam-se da "Cuca" ?

. Casa de Reclusão de Angol...

. A ponte do rio Lumai

. Sede, a quanto obrigas

. "Safari" no Parque Nacion...

. A jibóia

. 10º Convívio da CART 2731

. O sargento Singapura

. Brincadeiras inofensivas

. Natal de 1972

.Arquivo do blog

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Novembro 2014

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds