Sexta-feira, 24 de Maio de 2013

O sargento Singapura

 

Já há algum tempo que não escrevo para o blog. Não é porque não me lembre quase todos os dias daqueles dois anos de Angola, mas, embora as recordações sejam muitas, o tempo vai passando, a minha memória já não é o que era e cada vez vai sendo mais difícil encadear algumas cenas passadas naqueles tempos.

 

Hoje veio-me à memória um velho amigo que nunca mais encontrei desde que regressei de Angola, em Maio de 1973, o sargento Singapura.

 

Já não me recordo do seu verdadeiro nome, mas era assim que era conhecido por toda a gente. Foi-me apresentado pelo meu amigo, sargento Piedade Pereira, que se encontrava na altura, tal como eu, em Cabo Ledo. Era uma pessoa muito afável, sempre pronto para a brincadeira, que todos estimavam.

 

Conhecemo-nos durante um jantar no Clube Terra Nova, em Luanda, e logo aí começou com as suas brincadeiras do costume. Sem me falar do assunto, quando a empregada se dirigiu à mesa, uma miúda de cerca de 20, por sinal muito gira, disse-lhe: Titi (nome fictício da miúda) o furriel Santos, que era eu, queria dizer-te que está apaixonado por ti, mas está com vergonha.

 

 A miúda ficou um bocado corada, não respondeu e virou costas. Eu não liguei muito ao assunto, mas parece que ela levou aquilo muito a sério.

 

Depois disso fui várias vezes jantar ao Clube Terra Nova, lá fui dizendo à Titi que o sargento Singapura estava na brincadeira, que faltavam 2 ou 3 meses para eu regressar a Portugal e que ela continuaria a sua vida em Angola. A partir de aí gerou-se uma amizade sincera, que me ajudou a aliviar dias difíceis em Angola.

 

Recordo ainda uma visita do sargento Singapura a Cabo Ledo. Depois do jantar, convidámo-lo para uma caçada. Como já referi, em post anterior, não era permitido caçar no parque da Kissama, mas havia sempre forma de ultrapassar a questão. A altas horas da noite, sem tiros, quem é que nos iria detectar? Além disso, o responsável dos guardas do parque era irmão dum alferes, que estava connosco em Cabo Ledo.

 

E foi assim que depois do jantar, na companhia dos sargentos, Singapura e Piedade Pereira e de 3 ou 4 soldados lá fomos para a caçada. Não podíamos disparar tiros para não alertar os seguranças do parque, pelo que a forma de abatermos as peças de caça era persegui-las com o jipe pelo meio da picada ou do capim e atropelá-las.

 

Passados alguns minutos, depois de termos saído de Cabo Ledo, avistámos uma gazela no meio da picada e o condutor do jipe iniciou a perseguição, seguindo o bicho pelo capim adentro. Entretanto, o condutor passou uma tangente a uma palmeira, que apanhou a cara do sargento Singapura, causando-lhe um rasgão da boca até à orelha esquerda.

 

A caçada terminou ali, a gazela lá foi à sua vida, nós regressámos a Cabo Ledo, o sargento Singapura foi suturado com vários pontos e ficou com uma cicatriz para o resto da vida mas, apesar disso, sempre que nos ia visitar a Cabo Ledo manifestava a sua vontade de ir novamente a uma caçada.

 

Depois do meu regresso, nunca mais vi o Singapura, o Piedade Pereira e a Titi. Quantas saudades e como gostaria de os voltar a ver.

publicado por Franquelino Santos às 16:34
link do post | comentar | favorito
|

.Franquelino Santos

.pesquisar

 

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitantes

.Posts recentes

. Recordam-se da "Cuca" ?

. Casa de Reclusão de Angol...

. A ponte do rio Lumai

. Sede, a quanto obrigas

. "Safari" no Parque Nacion...

. A jibóia

. 10º Convívio da CART 2731

. O sargento Singapura

. Brincadeiras inofensivas

. Natal de 1972

.Arquivo do blog

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Novembro 2014

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds