Sábado, 22 de Novembro de 2014

Sede, a quanto obrigas

Enquanto estive colocado em Cabo Ledo, o Comandante da Casa da Reclusão programava e obrigava a fazer alguns patrulhamentos no Parque Nacional da Quissama, zona que ocupava cerca de nove mil e seiscentos quilómetros quadrados.

 

Acções de "psico" compreendia perfeitamente o seu alcance, mas patrulhamentos numa zona em que não consta que alguma vez tivesse havido quaisquer problemas com a  guerrilha, nunca percebi o porquê. Enfim, quem podia mandava

 

Provavelmente até haveria alguns guerrilheiros no parque da Quissama a passar uns dias de férias, mas o seu objectivo seria certamente descansar durante esse período sem dar nas vistas e o que menos quereriam era arranjar complicações com a tropa.

 

Naqueles patrulhamentos, eramos transportados em viaturas militares, largavam-nos poucos quilómetros depois do destacamento, percorríamos a pé um itínerário previamente definido, pernoitávamos na mata e no dia seguinte, ao fim da tarde, eramos recolhidos num local anteriormente combinado.

 

Nos patrulhamentos o principal problema era a sede. Durante esses dois dias, tinhamos de percorrer a pé entre 20 a 30 quilómetros e transportar a arma e as munições, a comida (ração de combate) e a água, entre outros apetrechos. Por isso, a quantidade desse precioso líquido nunca era muita e mormalmente, devido às elevadas temperaturas que se faziam sentir, começava a escassear no segundo dia, esgotando-se mesmo nalguma situações.

Quissama.jpg  

Embora não proliferassem, havia alguns rios no interior do parque, mas grande parte das suas margens eram pantanosas e chegar ao seu curso era tarefa praticamente impossível.

 

Naquelas zonas, quando a água acabava nos nossos cantis e a sede apertava, não havia outra solução que não fosse reenchê-los no pântano, nas poças das pegadas deixadas por animais de grande porte (normalmente dos elefantes ou das pacaças). Usávamos um lenço como filtro e desinfectavamos a água com comprimidos "halazone", que nos acompanhavam sempre. Contudo, aquele líquido mais parecia café, devido à sua cor escura, do que água, mas matava a sede.

 

O mesmo problema tinham os animais selvagens durante a época seca, de Maio a Agosto, quando as lagoas secavam e os rios ficavam a grandes distâncias. Era normal vermos nas praias esqueletos de animais de pequeno porte que procuravam saciar a sua sede nas águas do oceano e ali acabavam por morrer.

 

Eu assisti muma dessas praias a uma cena impressionante. Uma gazela, quase moribunda, veio a cambalear beber na nossa mão, água que lhe demos do cantil. Era a luta pela sobrevivência, em que a sede do animal venceu o medo, mas o seu destino, como o de tantos outros, estava traçado. Passados alguns dias, depois de morta e devorada pelos abutres, seria mais um esqueleto na praia.

 

Sede, a quanto obrigas.

publicado por Franquelino Santos às 10:15
link do post | comentar | favorito
|

.Franquelino Santos

.pesquisar

 

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitantes

.Posts recentes

. Recordam-se da "Cuca" ?

. Casa de Reclusão de Angol...

. A ponte do rio Lumai

. Sede, a quanto obrigas

. "Safari" no Parque Nacion...

. A jibóia

. 10º Convívio da CART 2731

. O sargento Singapura

. Brincadeiras inofensivas

. Natal de 1972

.Arquivo do blog

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Novembro 2014

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds