Sábado, 21 de Janeiro de 2012

Aldeia Natal

 

Em 25 de Dezembro de 1971 a CART 2731 foi substituída na Aldeia Capitão por uma outra Companhia e transferida para uma zona isolada, entre Santa Cruz de Macocola e a picada que ligava Quicua a Sanza Pombo.

 

Ficámos instalados a cerca de 25 quilómetros de Santa Cruz e a 10 de Quicua, que eram as localidades habitadas mais próximas do nosso novo acampamento.

 

Quando aqui chegámos não existia nada no local e tivemos que construír o nosso acampamento. Aproveitamos, uma zona mais ou memos plana, que tinha ardido muito recentemente. As tendas foram instaladas em cima de terra queimada, completamente preta, no meio dos restos de árvores, que tinham sido destruídas pelo fogo.

 

 

 

Na fotografia acima, cedida pelo João Branco, ex-soldado da CART 2731, a viver actualmente na Venezuela, pode ver-se, em plano de fundo, os restos de uma árvore queimada. 

 

A este acampamento foi dado o nome de Aldeia Natal, porque a nossa chegada àquele local ocorreu em 25 de Dezembro de 1971, coincidindo com o dia de Natal.

 

A nossa missão era, mais uma vez, dar protecção a uma Companhia de Engenharia, que estava a fazer a manutenção da picada entre Quicua e Sanza Pombo. Estávamos na época das chuvas e esta picada estava intransitável, devido às chuvas torrenciais que diariamente assolavam a zona.

 

Na Aldeia Capitão, embora isolados do mundo, tínhamos as condições mínimas para viver. Ali, na Aldeia Natal, não tínhamos nada para ocupar as nossas horas de ócio.

 

Durante o tempo que lá permanecemos, para além de darmos protecção à Companhia de Engenharia e de irmos, diariamente, à água e à lenha para satisfazer as necessidades do acampamento, apenas fomos uma vez a Sanza Pombo, buscar víveres para reabastecimento da Companhia, e outra a Quicua, para defrontarmos a equipa de futebol da Companhia que ali estava instalada.

 

 

Já não posso precisar exactamente o tempo, mas penso que a nossa estadia na Aldeia Natal terá durado pouco mais de dois meses, após os quais regressámos a Ambriz.

publicado por Franquelino Santos às 09:40
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 14 de Janeiro de 2012

A minha primeira noite na mata

 

Durante a nossa comissão de serviço em Angola, eu e os meus camaradas da CART 2731, pernoitámos várias noites na mata, ao relento, sem o mínimo de condições, expostos aos mais variados perigos e muitas vezes à chuva.

 

Já decorreram mais de 37 anos e da grande maioria dessas noites já só retenho vagas recordações. Mas da primeira, embora não tenha sido a mais complicada, é a de que ainda hoje melhor me recordo, talvez por ter sido uma experiência diferente, a que eu não estava habituado.

 

Em finais de 1970, surgiu uma informação de que a FNLA teria conseguido infiltrar importantes forças de guerrilha na região de Santa Cruz, calculando-se que essa força não andaria longe dos 600 guerrilheiros. Embora os relatórios operacionais do Batalhão de Caçadores 2889, com responsabilidade da quadrícula da região, não confirmassem a existência de tantos guerrilheiros, é certo que a guerrilha desencadeou nessa altura várias operações violentas em Cabaca, Quimbele, Macocola e Massau.

 

Os altos comandos militares resolveram então lançar a Operação Golpe de Flanco, na região de Santa Cruz de Macocola, que decorreu entre 3/1/1971 e 17/2/1971, com o objectivo de aprisionar destruir ou expulsar os eventuais grupos IN que se mantivessem nessa área.

 

No seguimento dessa operação, era necessário continuar a patrulhar com regularidade as matas que circundavam Santa Cruz, para impedir que os guerrilheiros voltassem a realojar-se na zona. Os patrulhamentos ficaram a cargo das forças militares que nessa altura actuavam na área de Santa Cruz, sendo a CART 2731 uma delas.

 

Em Outubro de 1971, em data que já não consigo recordar, o meu grupo de combate, comandado pelo alferes Costa, foi incumbido de efectuar um desses patrulhamentos. A ordem foi-nos transmitida na noite anterior à operação, pelo capitão Pimenta, Comandante da CART 2731.

 

Normalmente, só nos era dado conhecimento das operações poucas horas antes da sua realização, para que o sigilo fosse mantido. Desta vez, porém, não havia qualquer perigo de fuga de informação, porque estávamos instalados e isolados na mata, na Aldeia Capitão, a cerca de 20 quilómetros de distância de Santa Cruz, não havendo, por isso, qualquer possibilidade de contacto com a população. Mas as normas foram cumpridas da mesma forma.

 

Recebida a ordem, foi necessário efectuar os preparativos para a operação, que iria ter a duração de 2 dias. O grupo de combate era formado por cerca de 25 homens. A cada militar foram distribuídos 5 carregadores, com 20 munições cada um (4 carregadores eram transportados presos ao cinturão e o outro era introduzido na espingarda G3). Ao comandante do grupo (o alferes) e aos comandantes das secções (os furriéis) foram distribuídas também granadas defensivas e ofensivas, que eram igualmente transportadas presas ao cinturão. Para além das munições, foram fornecidas 2 rações de combate a cada um dos elementos do grupo. Tínhamos de transportar também água (normalmente 2 cantis por elemento), roupa interior e agasalhos para dormir ao relento.

 

Nestas operações a nossa carga (espingarda, munições, rações de combate, água e utensílios) facilmente ultrapassava os 15 quilos. Havia alguns ainda mais sacrificados. Era o caso do enfermeiro e do radiotelegrafista, que para além da carga normal, ainda tinham de transportar a bolsa de primeiros socorros e o rádio, respectivamente. A ração de combate continha os alimentos de um dia para as três refeições principais de um combatente: o pequeno-almoço, o almoço, o jantar. Embora o conteúdo não fosse igual em todas as embalagens, era composta basicamente pelos seguintes produtos: lata de leite achocolatado, lata de salsichas, fruta cristalizada, sardinhas em conserva, chocolate, pequenas embalagens de compotas, marmelada, uma lata de carne - por exemplo jardineira - uma lata de feijoada, sumo de laranja, sumo de ananás e bolachas sem sal.

 

Ao abrirmos a embalagem de uma ração de combate nunca sabíamos o que íamos encontrar no seu interior, pelo que, após a descoberta, procedíamos muitas vezes à troca de produtos entre nós, de acordo com os gostos de cada um. Apesar da comida das rações de combate ser intragável, o nosso problema principal era a água. Embora as matas que circundavam Santa Cruz fossem atravessadas por vários cursos de água, não era fácil localizá-los, por várias razões: a mata era muita densa e de difícil penetração e não nos podíamos desviar dos trilhos conhecidos, porque corríamos o risco de nos perdermos. Por isso, era necessário racionar esse bem precioso, porque, por vezes, andávamos várias horas, sob um sol abrasador, sem o encontrarmos e a capacidade dos cantis era muito reduzida.

 

Na madrugada do dia seguinte, o grupo estava preparado para a saída e, por volta das 6 da manhã, fomos transportados em unimogs até à fazenda Lopes, que se situava a cerca de 5 quilómetros de Santa Cruz. Ali, como havia uma grande plantação de abacaxis, aproveitamos para fazer o nosso pequeno-almoço com fruta fresca. É que a partir dali a nossa alimentação até ao fim do patrulhamento seria só à base das rações de combate.

 

Após o pequeno-almoço internamo-nos na mata. O trilho pelo qual seguimos, guiados por um nativo, era muito estreito, mas a progressão ia-se fazendo sem problemas de maior, para além do calor escaldante, amenizado pela sombra das árvores de grande porte, cujas copas se entrelaçavam e onde o sol quase não consegui penetrar. Caminhávamos em silêncio absoluto. À nossa volta, apenas se ouvia o chilrear dos pássaros e os guinchos de alguns macacos que saltavam entre as árvores à nossa passagem.

 

O primeiro obstáculo surgiu após cerca de 3 horas de progressão. Pela frente tínhamos o rio Gibango que era necessário ultrapassar. Acompanhámos a margem direita do rio durante alguns minutos até encontrar uma zona onde se pudesse passar a vau para o outro lado. O rio corria calmamente, a água era límpida e transparente e não foi difícil encontrar um local seguro para ultrapassar aquele obstáculo. Ainda assim houve necessidade de tomar algumas precauções, principalmente para não deixar molhar a arma e as munições, porque a profundidade do rio nessa zona era de cerca de metro e meio.

 

Com a água acima da cintura, passámos para a outra margem com relativa facilidade, mas não podemos evitar que as nossas fardas tivessem ficado completamente encharcadas e as botas cheias de água.

 

Ultrapassado aquele obstáculo, encontramos, um pouco mais à frente, um local propício para efectuar uma pequena paragem. Depois de montada a segurança, almoçamos, obviamente com recurso à ração de combate, e aproveitámos para recuperar forças e mudar de meias, porque caminhar com as meias molhadas era muito incómodo e magoava os pés. Quanto às fardas não havia grande problema, porque em pouco tempo secariam mesmo no nosso corpo, devido ao grande calor que se fazia sentir.

 

Após aquela curta paragem, depois de termos enterrado os restos do almoço (as latas de conserva vazias e outro lixo) para que não denunciar a nossa passagem por aquele local, prosseguimos a marcha.

 

Por volta das cinco horas da tarde, começámos a procurar um seguro local para pernoitar. Em África, naquela época do ano, anoitece por volta das 7 horas da tarde, a noite cai muito rapidamente e no interior da selva não era o sítio ideal para dormir.

 

Encontramos uma pequena clareira (local pouco arborizado) no cimo de um morro, que considerámos adequado, montámos segurança, jantámos e preparámo-nos para dormir umas horas.

 

Na mata, dormíamos vestidos e calçados, deitados no chão, tapados apenas pelo poncho, que era uma espécie de capa impermeável, que nos protegia do frio e da chuva. Quem achasse que eram necessários mais agasalhos, como por exemplo cobertores, tinha que os transportar na mochila que levávamos às costas, o que não era muito agradável, tendo em conta a carga (espingarda, munições, comida e água) que já éramos obrigados a suportar.

 

No leste de Angola, onde estivemos até Junho de 1971, as noites eram muito frias, atingindo, por vezes, temperaturas negativas. Aqui, no norte, não tínhamos esse problema, as noites até eram bastante quentes. O único senão é que estávamos na época das chuvas e quase todos os dias chovia.

 

Foi o que aconteceu naquela noite, em que choveu torrencialmente e, como não bastasse, caiu um trovoada medonha. O ribombar dos trovões era impressionante, viam-se faíscas no céu de todos os lados, quase parecia autêntico fogo de artifício. Foi a primeira vez que assisti a um espectáculo daqueles, que tinha tanto de belo como de aterrador.

 

Felizmente, que o poncho era muito eficaz contra a chuva, bastava que nos abrigássemos convenientemente e não havia pinga de água que nos atingisse. Naquelas condições não houve condições para dormir e a noite foi passada praticamente em claro.

 

Por volta das 7 horas da manhã, após termos tomado o pequeno-almoço, ainda não totalmente recuperados do esforço do dia anterior, retomámos a nossa acção de patrulhamento.

 

Após algumas horas de caminhada, sem outros problemas que não fossem os da dificuldade de progressão, encontramos uma zona de mata limpa, em que os arbustos, as lianas e as árvores de pequeno porte aparentavam ter sido cortados recentemente. Encontrámos, ainda, cubatas abandonadas e meio destruídas. Havia sinais de lume, indícios de que teria estado instalado ali, até há pouco tempo, um acampamento inimigo.

 

Nas proximidades eram visíveis pequenas áreas totalmente ardidas, provavelmente efeitos do último bombardeamento que a nossa Força Aérea efectuou na zona e que teria obrigado os guerrilheiros a retirarem para outro local. Embora os acampamentos inimigos não fossem visíveis do ar, devido à densidade da mata, uma vez que as copas das árvores de grande porte se entrelaçavam, não deixando ver nada do que passava a nível do solo, era hábito a Força Aérea bombardear as zonas consideradas mais propícias para a instalação de acampamentos inimigos e esta era uma delas.

 

Depois de termos inspeccionado o local minuciosamente, não se tendo encontrado outros vestígios, prosseguimos no trilho que nos conduziu, cerca de duzentos metros mais à frente, a uma clareira (zona plana desmatada), com uma área considerável, onde havia algumas árvores de fruto (mangueiras, bananeiras, papaieiras), restos de plantações de mandioca, jindungueiros (arbusto que produz o jindungo, a que nós chamamos em Portugal piripiri), etc. Era um pequena fazenda abandonada.

 

Ao fundo da clareira, na orla da mata, via-se uma casa em ruínas, construída em tijolo e cimento, que, provavelmente, teria pertencido a um antigo colono europeu, antes do eclodir da guerra. Os nativos não tinham acesso àquele tipo de habitação. Viviam em palhotas, em que as paredes eram construídas com uma mistura de capim e de barro amassados e o telhado coberto por capim. A casa estava completamente em ruínas. Não havia portas nem janelas, nem sequer tinha telhado. Restava-lhe apenas parte das paredes, pintadas de branco, com centenas de furos provocados por balas, sinal evidente de que tinha sido alvo de um ataque muito violento.

 

Não sei qual teria sido a sorte do seu proprietário, uma vez que, aparentemente, não tinha possibilidade de resistir por muito tempo ao ataque ou de fugir, porque a casa situava-se em pleno coração da mata. Embora do local à vila de Santa Cruz não distassem mais de dez quilómetros em linha recta, pelo meio estava a imensidão da mata, um obstáculo quase intransponível para quem pretendesse fugir. No interior daquelas ruínas apenas encontramos destroços, cápsulas de balas e nada mais.

 

Tratando-se de uma zona potencialmente muito perigosa, redobrámos as nossas precauções e prosseguimos em fila indiana junto à orla da mata, rumo a Santa Cruz. O sol abrasava e o silêncio era absoluto. Seguíamos com as espingardas apontadas para a mata, embora, devido à sua densidade, a visão fosse praticamente nula.

 

De repente, ouviu-se um barulho, como o de alguém que tentava fugir apressadamente entre o emaranhado da mata. Como que impulsionados por uma força invisível, lançamo-nos imediatamente para o chão e deitados, de armas apontadas para a mata, prontas a disparar, aguardámos o evoluir da situação para reagir.

 

Passámos poucos mas longos minutos imóveis nessa posição, numa enervante espera, mas, felizmente, nada aconteceu. Provavelmente o ruído terá sido provocado por alguma gazela ou outro animal qualquer que pastava na orla da mata e ao pressentir a nossa aproximação fugiu, procurando refúgio no interior da selva. Desta vez foi apenas um susto, mas na mata todas as precauções eram poucas.

 

Passado o susto, retomamos a marcha e algumas centenas de metros mais à frente internámo-nos novamente na mata, seguindo um trilho que nos havia de conduzir a Santa Cruz de Macocola, onde chegámos por volta das 4 horas da tarde.

 

A nossa operação estava terminada, desta vez sem problemas. Ali, aguardavam-nos unimogs da CART 2731, que nos transportaram até ao nosso acampamento, na Aldeia Capitão.

tags:
publicado por Franquelino Santos às 16:11
link do post | comentar | favorito
Sábado, 7 de Janeiro de 2012

Morro do Recúo

 

O Morro do Recuo situava-se no norte de Angola, em pleno coração da mata, num local quase inacessível, entre Santa Cruz de Macocola e a picada que ligava Quimbele a Quícua.

 

A poucos quilómetros da fronteira de Angola com a República Democrática do Congo, era uma importante base de guerrilha da FNLA. Naquele local, algumas árvores com mais de cinquenta metros de altura ofereciam sombra e segurança aos guerrilheiros, porque impediam que fossem localizados do ar pela FAP (Força Aérea Portuguesa).

 

Num raio de mais de 10 quilómetros não havia estradas nem picadas. Para conseguir chegar ao cimo do morro tínhamos que seguir os trilhos utilizados pelos guerrilheiros, que muitas vezes estavam minados, tornando a tarefa muito difícil e perigosa. Para minimizar o perigo, caminhávamos ao lado dos trilhos, nunca utilizando duas vezes o mesmo percurso. Por vezes, era necessário abrir caminho recorrendo a catanas para cortar as lianas e outros arbustos de pequeno porte que impediam a nossa passagem. A mata era muito densa, era praticamente virgem.

 

Conta-se que aquele morro foi baptizado com o nome de “Morro do Recuo” porque as nossas tropas efectuaram diversas tentativas para desalojar os guerrilheiros daquele local e diversas vezes foram obrigadas a recuar, sem o conseguir. O objectivo foi alcançado finalmente, em 1971, na sequência de uma operação de grande envergadura na zona de Santa Cruz de Macocola, denominada Golpe de Flanco, que decorreu entre 3 e 17 de Janeiro de 1971, envolvendo a 20ª e a 22ª Companhias de Comandos, apoiadas por helicópteros.

 

Após aquela operação, os Altos Comandos Militares decidiram mandar construir uma picada entre Santa Cruz de Macocola e a picada que ligava Quimbele a Quícua, que passasse pelo cimo daquele morro. Assim, seria mais difícil a sua reocupação pelo inimigo e, caso isso acontecesse, com vias de acesso em condições, as nossas tropas fariam facilmente a sua limpeza.

 

Durante os trabalhos de construção da picada, quer a CART 2731 quer a Companhia de Engenharia, envolvidas na sua construção, ficaram instaladas na Aldeia Capitão, a cerca de 20 quilómetros de distância de Santa Cruz de Macocola.

 

Os elementos envolvidos na segurança e na construção da picada, após o dia de trabalho, pernoitavam na mata, no local de trabalhos, para dar protecção às máquinas e para impedirem que o inimigo, durante a noite, armadilhasse aquela zona. As máquinas envolvidas na construção eram, normalmente, três buldozers e uma máquina de terraplanagem.

 

Todos os dias, de madrugada, saiam do acampamento da Aldeia Capitão para a frente de trabalhos um grupo de combate da CART 2731 e elementos da Companhia de Engenharia, para render os elementos que estavam na frente de trabalhos e que regressavam ao acampamento.

 

Os trabalhos reiniciavam-se logo de manhãzinha, depois de alguns elementos do grupo de combate efectuarem o reconhecimento da zona, para se certificarem que o inimigo não tinha montado nenhuma emboscada durante a noite.

 

Havia necessidade de derrubar muitas árvores para construir a picada, algumas delas de grande porte, que exigiam a colaboração conjunta de duas ou três buldozers Por isso, a construção da picada progredia muito lentamente, havendo dias que não avançava mais de duzentos metros.

 

 

Esta fotografia da frente de trabalhos, cedida pelo 1º sargento Marcelino Valério, dá uma pequena ideia das dificuldades que se nos deparavam para a construção da picada.

 

Quando a frente de trabalhos se encontrava muito próxima do cimo do Morro do Recuo (a pouco mais de 500 metros de distância), decidi lá ir, para ver como era o antigo acampamento inimigo. Apareceram, de imediato, mais três ou quatro "cacimbados" que não quiseram perder o passeio.

 

Os restantes elementos do grupo de combate tentaram dissuadir-nos da aventura, alertando-nos para o perigo que a mesma representava, mas sem êxito. Estávamos decididos, seríamos os primeiros a chegar ao cimo do morro.

Assim, perante o olhar incrédulo dos restantes elementos do grupo, lá fomos morro acima, abrindo, com a ajuda de catanas, passagem paralela ao trilho que existia, para nos precavermos de eventuais minas. A viagem até ao cimo do morro decorreu sem incidentes e demorou mais de uma hora.

 

No cimo do morro, onde até há pouco tempo tinha funcionado uma base da FNLA, existia uma vasta área limpa, com árvores de grande porte em que as copas se entrelaçavam. Todas as lianas, arbustos e árvores de pequeno porte tinham sido cortadas. O sol dificilmente conseguia penetrar naquela zona, pelo que apesar das elevadas temperaturas que se faziam sentir, aquele lugar era aprazível. Do ar nada se via, o que protegia os guerrilheiros de ataques da Força Aérea Portuguesa. No cimo do morro haviam, ainda, alguns abrigos naturais, do género de grutas, que davam protecção aos guerrilheiros, em caso de bombardeamentos.

 

A paisagem que se via do cimo do morro, por entre os troncos das árvores, era deslumbrante. Tudo o que se conseguia ver em redor parecia ser um mar verde. Era a mata verdejante, tão bela como traiçoeira, escondendo os mais variados perigos.

 

Demos uma volta pelo ex-acampamento e encontrámos vestígios que com provavam o seu abandono recente. Numa pequena gruta, que até há pouco tempo parecia ter servido de local de pernoita para um ou mais guerrilheiros, encontrámos um camuflado, em estado impecável, e caixas com restos de medicamentos.

 

Satisfeita a nossa curiosidade, empreendemos a viagem de regresso. Antes, porém, deixámos as nossas marcas no local. Fizemos uma fogueira no meio de um trilho e escrevemos, à catanada, as iniciais dos nossos nomes no tronco de algumas árvores.

 

Na madrugada do dia seguinte, o nosso grupo de combate foi substituído por outro, mas não achei que fosse importante dar conhecimento da nossa aventura ao alferes que comandava o grupo que nos substituiu.

 

Mal cheguei à Aldeia Capitão o Comandante da Companhia mandou-me chamar e perguntou-me se o meu grupo tinha detectado algo de anormal no dia anterior na frente de trabalhos. É que, segundo me informou, o alferes do grupo de combate que estava a dar protecção aos elementos da Companhia de Engenharia estava a pedir reforços, porque quando foi efectuar o reconhecimento da zona, detectou vestígios muito recentes do inimigo (árvores com letras desenhadas nos troncos e sinais de uma fogueira muito recente no meio do trilho).

 

Informei o Comandante que não havia qualquer problema porque o inimigo éramos nós e relatei-lhe a aventura do dia anterior. Não vou aqui dar-vos nota da conversa que o Comandante teve comigo, prefiro deixar isso à vossa imaginação.

 

Hoje, reconheço que durante as nossas comissões de serviço cometíamos muitas imprudências (para não lhes chamar loucuras), que só não tiveram consequências trágicas por muita sorte nossa. É que, naquela altura, estávamos dispostos a tudo e quase nada nos assustava. Havia quem dissesse que o medo só existia no primeiro mês da comissão (fase de adaptação) e no último (quando a comissão estava quase a chegar ao fim e nos começávamos a mentalizar que tínhamos possibilidade de sair vivos daquele inferno). Alguns diziam que era o efeito do cacimbo.

publicado por Franquelino Santos às 20:00
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

.Franquelino Santos

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Visitantes

.Posts recentes

. 17 de Abril de 1971

. Recordam-se da "Cuca" ?

. Casa de Reclusão de Angol...

. A ponte do rio Lumai

. Sede, a quanto obrigas

. "Safari" no Parque Nacion...

. A jibóia

. 10º Convívio da CART 2731

. O sargento Singapura

. Brincadeiras inofensivas

.Arquivo do blog

. Abril 2018

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Novembro 2014

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds